Refugiados de guerra buscam a paz no Rio

Congoleses na Cáritas: em busca de via nova, emprego e estudo (Foto: André Coelho/ O Globo)

Clique aqui e entre no ritmo dos refugiados

Ao escolher o Rio para escapar da guerra civil no Congo, Eureka, de 22 anos, engrossa uma estatística divulgada pelo Alto Comissário da ONU para Refugiados (Acnur): 50% dos refugiados no mundo vivem não em assentamentos, mas em áreas urbanas. Como mostra a reportagem de Ediane Merola, o dado foi divulgado na semana passada, durante o evento “Refugiados, deslocamentos e emergências nas cidades”, realizado durante o Fórum Mundial Urbano, na Zona Portuária. Segundo a Acnur, o Rio é o destino brasileiro mais procurado. Dos 4.200 refugiados que vivem no país atualmente, 2.280 estão na cidade e, assim como Eureka, a maioria enfrenta dificuldade para se manter e reconstruir a vida.

– Cheguei aqui sozinha, com 19 anos. Antes, passei pela Europa, trabalhei como babá. Mas aqui não consigo trabalho. Pensam que somos matadores, bandidos – diz Eureka, que atualmente treina judô na Equipe Ruffoni, em Jacarepaguá. – Também aprendi a fazer trança no cabelo e, às vezes, consigo dinheiro fazendo isso. Por mim, só tenho Deus.

Conseguir depoimentos como o de Eureka nem sempre é fácil. Os refugiados, mesmo os que estão com a documentação em dia, preferem o anonimato. Para defender e promover os direitos dessas pessoas, que geralmente chegam ao Rio só com a roupa do corpo, foi instalado na segunda-feira o Comitê Estadual Intersetorial de Políticas de Atenção aos Refugiados. Criado em dezembro passado, reúne membros de sete secretarias estaduais, da Defensoria Pública do estado, do Ministério Público estadual, da Alerj, da OAB, da Acnur e do Comitê Nacional para os Refugiados. A primeira reunião do grupo está marcada para 19 de abril.

Refugiados do Congo ensaiam uma apresentação de dança na sede de Cáritas (Foto: André Coelho/ O Globo)

No Rio, a Cáritas – órgão ligado à Arquidiocese – serve de porto seguro para os refugiados que chegam à cidade. De acordo com o diretor da entidade, Cândido da Ponte Neto, a maioria deles vem da Angola e do Congo, na África; e da Colômbia, na América Latina. as também tem argentinos, chilenos e até iraquianos.

Fonte: O Globo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: