Governo israelense endurece lei de cidadania

Fonte: Correio Braziliense

Viviane Vaz

Ganhar cidadania israelense vai ficar mais difícil nos próximos meses. O mesmo vale para a entrada ilegal de imigrantes em Israel. Os governos do Cairo e de Jerusalém anunciaram que começarão a construir em novembro uma barreira eletrônica no Deserto do Negev. O projeto israelo-egípcio tem por meta impedir que africanos entrem em Israel, vindos do Sinai.

No último domingo, as autoridades israelenses também discutiram mudanças para a lei de nacionalidade: quem quiser ser cidadão deveria jurar lealdade não só ao Estado de Israel, mas também ao “Estado judeu e democrático”. De acordo com o jornal Jerusalem Post, a ideia é dificultar que palestinos casados com israelenses árabes e muçulmanos consigam a nacionalidade com base na unificação familiar.

O gabinete de ministros prometeu continuar a analisar a emenda na legislação esta semana e defendeu que o assunto da nacionalidade não tem ligação com a construção da barreira na fronteira egípcia. Datada de 1952, a lei prevê quatro formas de acesso à nacionalidade: nascimento no país, imigração por meio da Lei do Retorno, residência e naturalização. Segundo a última opção, uma pessoa casada com um cidadão israelense poderia se naturalizar ao se declarar “cidadão leal ao Estado de Israel”.

Polêmica
Além de evitar a naturalização dos imigrantes ilegais, o governo israelense espera que a barreira eletrônica impeça a entrada de refugiados e trabalhadores sem documentação da África, que já somam 25 mil em Israel. “Neste momento, atravessar a fronteira não representa dificuldade”, disse o ministro de Segurança Interna, Yitzhak Aharonivic. Segundo o ministro, todo mês entram ilegalmente em Israel 1,2 mil africanos. Ele informou que a nova barreira será construída ao longo de 110km dos 240km de fronteira, e a conclusão está prevista para 2013.

Por sexo, árabe “vira” judeu
Sabar Kashur, 30 anos, casado e cidadão árabe de Jerusalém, foi condenado ontem a um ano e meio de prisão por se fazer passar por um judeu solteiro para conseguir manter relações sexuais com uma jovem judia. Primeiramente, ele teria prometido um relacionamento estável à jovem. Mas, após o ato sexual, Kashur a teria abandonado em um edifício do centro de Jerusalém. “O tribunal está obrigado a proteger o público de criminosos sofisticados que possam enganar vítimas inocentes a um preço insuportável — a santidade de seus corpos e suas almas”, disse o juiz Tzvi Segal.

O tribunal condenou Kashur à prisão por violação e falsidade ideológica, além de obrigá-lo a pagar indenização de 10 mil shekels (R$ 4,6 mil). “Não se trata de violação no sentido clássico, isto é, por força. Mas o ato foi conseguido com base em mentira e em falsa identidade. Se a demandante soubesse que o acusado não era solteiro e judeu, não teria aceitado (o sexo)”, disseram os juízes. Os advogados de Kashur tentaram, em vão, reverter a pena em serviços comunitários.

Anúncios

One Response to Governo israelense endurece lei de cidadania

  1. Americo Borges de oliveira disse:

    gostaria de saber o que realmente preciso para fazer minha naturalidade israelense

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: