Ahmadinejad diz não achar necessário enviar iraniana condenada à morte ao Brasil

Fonte: UOL

Renata Giraldi
Da Agência Brasil, em Brasília

Sakineh Mohammadi Ashtiani, acusada de adultério no Irã

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, disse ontem (15) que não vê necessidade de enviar para o Brasil a mulher condenada à morte por apedrejamento no seu país. Segundo ele, as autoridades do Judiciário iraniano também são contrárias à proposta brasileira. Em entrevista exclusiva à rede de televisão estatal, PressTV, Ahmadinejad afirmou que o assunto não deve “criar problema algum” com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que ofereceu asilo político à viúva acusada de adultério e posteriormente de assassinato.

“Acho que não há necessidade de criar problema algum para o presidente Lula e levá-la ao Brasil”, afirmou Ahmadinejad. “Estamos ansiosos para exportar a nossa tecnologia para o Brasil, não esse tipo de pessoas. Penso que o problema será resolvido em breve”, acrescentou ele.

A viúva Sakineh Ashtiani, de 43 anos, mãe de dois filhos, é acusada de adultério e assassinato do marido. Ela foi condenada por ter mantido relações sexuais com dois homens, depois da morte dele. Também há a acusação de assassinato. Ashtiani e a família negam as acusações. O caso gerou repercussão internacional e o presidente Lula propôs que a mulher fosse enviada para o Brasil.

Ahmadinejad disse ter conversado com as autoridades do Judiciário iraniano. Segundo ele, elas são independentes e assim atuarão em relação ao caso. “Existe uma justiça final e os juízes são independentes. Mas eu conversei com o chefe do Poder Judiciário e do sistema judiciário eles também não concordam [com a possibilidade de enviar a mulher para o Brasil]”, disse.

Na semana passada, em entrevista à Agência Brasil, o embaixador do Irã no Brasil, Mohsen Shaterzadeh, descartou o envio da viúva ao país. O diplomata negou que tenha ocorrido formalmente ao governo iraniano a oferta oficial de asilo ou refúgio político para a mulher por parte do Brasil.

Shaterzadeh reiterou que o assunto envolve apenas o seu país, pois a mulher condenada é iraniana, o que elimina a possibilidade de uma outra nação ser incluída no processo. Para o embaixador, o caso ganhou repercussão internacional porque há uma manipulação por meio da internet e da imprensa estrangeira para constranger o governo do presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad.

“Nós não recebemos de forma oficial pedido ou oferta alguma [de asilo ou refúgio político] para essa senhora ser enviada para o Brasil. Não houve ofício por escrito, nota oral ou troca de notas, como é a orientação na diplomacia em casos assim”, afirmou o embaixador. “Ocorreram crimes e serão julgados conforme o código do Irã que segue preceitos morais e culturais do país”, disse ele. “O processo envolve pessoas iranianas, por que deveria ter o envolvimento de outros países?”

O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, e o embaixador do Brasil no Irã, Antonio Salgado, confirmaram que houve um pedido oral formal ao governo iraniano para o envio da mulher ao território brasileiro. O caso provocou um mal-estar entre as diplomacias dos dois países. Informações de especialistas que acompanham o assunto indicam que a viúva teve a senteça de morte adiada por alguns dias em decorrência da repercussão internacional do assunto.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: