Aulas de português impulsionam integração de refugiados em São Paulo

Fonte: ACNUR

 

Na carta de Pablo, um dos formandos do curso de português para refugiados em São Paulo, está escrito: “(...) o grão de areia que você coloca é um sinal de que o mundo pode mudar”. (Foto: K. Fusaro/ ACNUR)

 

Começar pequeno, sonhando grande: é assim que Pablo* encara o recomeço da sua vida no Brasil, na condição de refugiado. A nova meta deste colombiano que sobreviveu aos conflitos em seu país e ao terremoto que atingiu o Chile no início deste ano é integrar-se rapidamente ao país onde vive. E ele acaba de cumprir uma primeira e importante etapa.

Pablo é um dos formandos no curso de português para refugiados que é oferecido pelo Serviço Social do Comércio (SESC) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC), em São Paulo.

A iniciativa é resultado de uma parceria de 15 anos entre a com Cáritas Arquidiocesana de São Paulo, parceria implementadora do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) no Brasil, e as duas entidades envolvidas nesta iniciativa. As aulas são ministradas no SESC Carmo, unidade central e de fácil acesso. O material didático dos dois módulos básicos e o professor são cedidos pelo SENAC.

“Para os alunos, o curso é a primeira grande conquista depois de um período marcado por perdas. Mas esta vitória ninguém tira deles”, afirma o professor Hamilton Amadeu Junior, que está no projeto desde 2008. Para ele, o segredo da boa aula é conciliar as diversas culturas e experiências dos alunos, mantendo o português como ponto de convergência.

A sala de aula é um espaço neutro, de exercício da tolerância. Nela não faz diferença ser mulher ou homem, ter uma religião ou outra: o objetivo é promover o trabalho conjunto para a superação das dificuldades do idioma.

“Muitas pessoas chegam marcadas por conflitos, mas a guerra precisa ficar do lado de fora para o grupo avançar”, afirma a assistente social Denise Orlandi Collus, técnica do SESC que trabalha diretamente com os refugiados na unidade Carmo.

O domínio do idioma impulsiona o processo de inserção do refugiado à sociedade brasileira. Desde sua criação, o curso já teve 60 turmas e aproximadamente mil alunos inscritos. Deste total, cerca de 20% desistem.

A evasão é mais frequente no segundo estágio, quando o refugiado já está no país há tempo suficiente para reconquistar autonomia e, até mesmo, se virar com o português que aprendeu. Por um lado, é possível entender a interrupção do estudo como um sinal de avanço no processo de integração.

“Em geral, os alunos deixam o curso porque conseguiram emprego, o que é um bom sinal. Mas a porta está sempre aberta para os que querem voltar e terminar o aprendizado”, diz Denise.

Sérgio* veio da Guiné. Para ele, o fato de ter o francês como língua pátria o ajudou a aprender o português e a conseguir uma namorada brasileira, que conheceu passeando num shopping da capital paulista. “Sem o idioma a gente não consegue se comunicar com as pessoas e fica mais difícil encontrar trabalho”, afirma. 

“Leio e escrevo muito para treinar o idioma”, conta Mateu*, outro refugiado colombiano, mostrando o caderno inteiramente preenchido de verbetes e significados, que funciona como um dicionário.

No Brasil desde o mês abril, ele participou do curso pela segunda vez. “Venho ao SESC todos os dias, estudo das 9h às 11h, almoço no restaurante, encontro pessoas, converso. Preciso preencher meu tempo com atividades interessantes para não me sentir sozinho”, conta. 

Além do curso de português, o convênio entre a Cáritas e o SESC possibilita ao refugiado frequentar a rede de 32 unidades do SESC em todo o Estado de São Paulo, constituída por centro culturais e desportivos. A carteirinha de associado dá direito a refeições subsidiadas e acesso gratuito a internet.

“Este é um espaço de integração, pois o refugiado é uma entre as 3,5 mil pessoas que passam pela unidade durante o almoço, o horário de pico”, explica Denise. “Aqui ele aprende a dinâmica da cidade, refaz sua rotina e sente-se de novo inserido no mundo”.

O processo de integração não assusta o colombiano Pablo. “Brasileiros e colombianos são amáveis e carinhosos, somos parecidos”, diz. Com as pessoas ele já sabe lidar, mas para driblar as barreiras da língua leva a tiracolo o dicionário que ganhou do professor de português.

(*) Nomes trocados por razão de segurança

Karin de Pecsi e Fusaro, em São Paulo

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: