Somália completa 20 anos de conflitos e anarquia

Fonte: Terra Brasil

Duas décadas depois da queda do governo central a Somália está em ruínas após diversas guerras civis, conflitos religiosos e anarquia que causaram a morte de meio milhão de pessoas, forçaram um milhão de refugiados ao exílio e deslocaram internamente outros milhões. No dia 26 de janeiro de 1991, grupos guerrilheiros ao comando de líderes tribais conhecidos como “senhores da guerra” derrubaram Siad Barre, o ditador pró-socialista que governava a Somália desde outubro de 1969, e dividiram o país em feudos nos quais imperava a lei do mais forte.

“As gerações de somalis nascidos na era dos conflitos ficaram sem futuro, adotaram a guerra como modo de vida e perpetuaram os confrontos mediante motivações religiosas, étnicas e econômicas”, afirma Hassan Moalim Yousef, presidente do Centro para a Paz e os Direitos Humanos (CPHR). Segundo Yousef, os últimos 20 anos foram marcados por “contínuos conflitos e violações dos direitos humanos e em todo esse tempo o mundo não conseguiu ajudar o povo somali”.

“Os únicos que sabem sobre as situações da conflagração, entendem bem o que é fugir, matar, violar, os deslocados internos, campos de refugiados e outras coisas, mas desconhecem o (verdadeiro) significado de palavras como paz, governo e democracia já que nunca as experimentaram na prática”, acrescenta.

A guerra civil começou quando um grupo de políticos somalis, respaldados por algumas autoridades regionais, formaram um governo temporário liderado por Ali Mahdi Muhammad, que se transformou no “senhor da guerra” quando sua administração foi desafiada por outro líder tribal, Mohamed Farah Aideed, cujas milícias o derrubaram. Ali Mahdi, que falou com à Agência Efe de Nairóbi, rejeita as afirmações que foi ele quem suscitou a prolongada guerra civil na Somália.

“Fui eleito legalmente pelos delegados da primeira conferência de reconciliação realizada em Djibuti. Aideed não esteve nessa reunião, até seguia combatendo no sul do país, e quando se inteirou que eu tinha sido designado (presidente) me declarou a guerra”, assinala. Segundo Mahdi, “se Aideed tivesse respeitado meu mandato, ele teria sido meu sucessor (no poder) e Somália não se encontraria no estado em que está”.

O confronto entre Ali Mahdi e Aideed, cujas milícias foram as que expulsaram a Siad Barre de Mogadíscio, mudou o caráter do conflito, que deixou de ser uma guerra de libertação para se transformar em enfrentamentos entre clãs e afundou na incerteza o futuro do povo somali.

Atualmente, o governo se encontra cercado pelos insurgentes de Al-Shabab, um grupo extremista vinculado a Al-Qaeda, que controla todo o sul da Somália e o resto da capital e quer instalar no país um regime de Governo baseado na “sharia”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: