Novos equipamentos na Lunda-Sul para receber refugiados

Fonte: Jornal de Angola

Administrador municipal de Chiluage fala dos projetos sociais em curso na região (Foto: João Salvo/ Chiluage)

A construção de novas escolas e duas casas geminadas na comunidade de Chiluage, município de Muconda, vinca a prioridade nas estratégias traçadas pelas autoridades locais, visando o aumento e melhoria da oferta de serviços à população, através do Fundo de Gestão Municipal. 

Maria Helena vive em Chiluage, a 190 quilômetros da cidade de Saurimo. Regressou ao país há um ano na companhia de três filhos menores, nascidos na República Democrática do Congo, onde viveu durante 25 anos, com os pais,  falecidos há dois anos, vítimas da explosão de uma mina.

Helena anseia regressar ao município de Cacolo, sua terra natal, para se juntar a familiares dos seus pais: “ Desconheço os nomes dos meus parentes por ter saído de Angola com apenas cinco anos, por causa da guerra”. Está registrando os filhos para matriculá-los no sistema normal de ensino, onde vão aprender a língua portuguesa: “não quero que sofram o mesmo que eu”, disse, limpando as lágrimas.

A situação de Helena é apenas um exemplo de luta no grupo de  200 angolanos que regressaram à pátria depois de um longo período refugiados na República Democrática do Congo, há um ano. Receberam da Direção Provincial da Lunda-Sul da Assistência e Reinserção Social chapas de zinco, colchões, cobertores, e utensílios de cozinha. E começaram a construir as suas casas no bairro Caijila.

O administrador da comunidade do Chiluage, António Maxingo, disse à nossa reportagem que a prática da agricultura ocupa o quotidiano dos angolanos regressados. Também fazem criação de animais domésticos que comercializam no mercado local. Onde a maioria dos clientes são congoleses.  António Maxingo disse que há boas relações entre as populações e as autoridades de um e do outro lado da fronteira, o que impulsionou as transações comerciais, facilitou o acesso de angolanos ao sistema de  educação e assistência médica na RDC. “Como existem laços familiares a ida de cidadãos angolanos à busca desses serviços é normal”.
 
Desafios de reconstrução
 Os congoleses compram em Angola arroz, óleo alimentar, sabão, açúcar, leite e vestuário, com os fundos obtidos da venda de bois, cabritos, galinhas e peixe seco. Duas novas escolas com um total de seis salas e duas casas geminadas nascem na sede da comunidade e na aldeia de Tambwe, no quadro da expansão da rede escolar.

Na sua primeira digressão pelo interior da província, o vice-governador provincial para a área técnica e infraestruturas, António Jorge Teixeira, notou que há insuficiência de espaços para o funcionamento da Administração Municipal, ausência de energia e água, por avaria do grupo gerador.

O vice-governador da Lunda-Sul visitou uma área de 300 hectares destinada à reserva fundiária programada para a construção de casas para os angolanos regressados do Congo Democrático.

O governo provincial anunciou que a construção das casas começa já no próximo mês de maio. “Vamos dar prioridade a equipamentos que mais fazem falta nas áreas da Saúde, Educação, Defesa e Segurança e Energia e Águas para ultrapassarmos o quadro atual”, disse António Jorge Teixeira à nossa reportagem.

Estrada em mau estado
 A degradação da estrada de 90 quilômetros que separa as comunidadess de Muriége e Chiluage, desencoraja a circulação.
A insistência de alguns utentes de viaturas na luta pelo pão quotidiano representa uma “assinatura do sim ao risco”, para enfrentar uma via cheia de desníveis acentuados, troços de areia, buracos e curvas apertadas.

Derrapagens, atolamentos, desvios de rumo, poeira, trepidação sujeitam condutores e passageiros, que habitualmente viajam na carroçaria das viaturas de carga, correndo riscos de vida.

Calamidades naturais
As chuvas de dezembro último e deste mês de janeiro desalojaram 70 famílias, realojadas em casas de parentes. O apoio com chapas de zinco dado pelo Ministério da Assistência e Reinserção Social incentiva os sinistrados a reconstruírem, no tempo seco, as casas perdidas.

Situada a leste de Saurimo a Comunidade de  Chiluage integra parte da linha fronteiriça com a RDC, a sete quilômetros da sua sede. Tem uma população calculada em 3.000 habitantes, que vive essencialmente da agricultura de subsistência, criação de animais e prática de caça.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: