António Guterres critica falta de resposta internacional à situação na Líbia

Fonte: SIC

O alto-comissário da ONU para os Refugiados, António Guterres, criticou a falta de resposta da comunidade internacional à situação que se vive na Líbia, de onde, salientou, estão fugindo milhares de pessoas.

Egípcios que trabalhavam na Líbia num campo de refugiados na fronteira turca (Foto: AP)

“Faço parte de uma agência humanitária pelo que não vou fazer considerações políticas sobre isso, mas sinto uma pressão no peito quando vejo o que se passa – e como a comunidade internacional tem respondido”, afirmou Guterres, quando instado a comentar a falta de resposta internacional à situação na Líbia.

Em declarações à cadeia de televisão árabe Al-Jazira desde Genebra, o chefe do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) salientou a dimensão da crise humanitária que se vive nas fronteiras com a Líbia, onde se regista um autêntico êxodo de pessoas que fogem da violência.

O alto-comissário manifestou-se “muito preocupado” pelo fato de a maioria da população em território líbio estar sujeita a uma situação dramática e muitas pessoas estarem a enfrentar graves problemas humanitários.

“Infelizmente o ACNUR não pode ajudar as pessoas na Líbia (…), mas estamos a conseguir fazê-lo nas fronteiras com a Tunísia e com o Egito”, explicou o antigo primeiro-ministro português.

A pedido do governo de Tunes, a agência da ONU destacou várias equipes de especialistas para cidades como a de Ras Adjir, na fronteira entra a Líbia e a Tunísia.

Os funcionários do ACNUR já se encontram no terreno trabalhando com as autoridades tunisinas e com outras organizações internacionais e têm como principal objetivo “observar a situação e identificar as vulnerabilidades individuais daqueles que necessitam de assistência imediata – como crianças desacompanhadas, mulheres com crianças e idosos”.

António Guterres pediu à União Europeia que tenha “uma atitude generosa e aberta” em relação a todos os refugiados que abandonam a Líbia e quando questionado sobre a possibilidade de “um êxodo maciço”, Guterres voltou a lembrar que os 27 tem um dever de “solidariedade”, mostrando-se confiante de que a Europa vai cumprir com as suas responsabilidades.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: