ACNUR teme que civis estejam sendo impedidos de deixar a Líbia

Fonte: ACNUR

O número de civis que estão fugindo da violência na Líbia em direção à Tunísia caiu significativamente deste a última quarta-feira, e o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) considera que estas pessoas estão sendo impedidas de deixar o país. “Estamos preocupados que medidas de segurança na Líbia possam estar impedindo estas pessoas de deixar o país”, afirmou hoje em Genebra a porta-voz do ACNUR, Melissa Fleming.

Na semana passada, entre 10 e 15 mil pessoas estavam cruzando diariamente a fronteira da Líbia com a Tunísia. Desde ontem, o número caiu para menos de duas mil pessoas por dia. “A fronteira do lado líbio está sendo controlada por forças pró-governo fortemente armadas. Aqueles que conseguiram cruzar a fronteira nos disseram que telefones celulares e câmeras foram confiscados, e muito estão apavorados e não querem falar”, ressaltou Fleming. “Se o controle militar da fronteira e das rodovias reduzirem, acreditamos que um fluxo massivo de pessoas voltará a acontecer”, completou a porta-voz do ACNUR.

Segundo a agência da ONU para refugiados, está progredindo a operação de retirada humanitária das pessoas que cruzaram a fronteira com a Tunísia, principalmente os de nacionalidade egípcia. A operação é realizada de forma conjunta pelo ACNUR e a Organização Internacional de Migrações (OIM). Países como Egito, Tunísia, França, Alemanha, Itália, Espanha e Reino Unido ofereceram transporte aéreo e marítimo para a retirada dessas pessoas. O governo egípcio já repatriou dezenas de milhares dos seus nacionais. Entretanto, cerca de 12,5 mil pessoas ainda aguardam repatriação, sendo mais de 10 bengaleses. Hoje, dois vôos estão previstos para Bangladesh.

Fleming informou que Alemanha, Austrália, Áustria, Bélgica, Comissão Européia, Dinamarca, Espanha, França, Luxemburgo e Polônia já ofereceram fundos ao ACNUR para apoiar a resposta da agência à crise líbia. Doações privadas também estão ocorrendo.

Em Benghazi, no leste da Líbia, uma equipe do ACNUR que participa de uma missão inter-agencial de avaliação encontrou um acampamento no porto da cidade com cerca de oito mil estrangeiros esperando para serem retirados do país. A maioria espera ser retirada nos próximos dias.

“De acordo com nossas equipes, a organização Vermelho Crescente da Líbia está muito ativa na prestação de assistência humanitária, inclusive ajudando nacionais de outros países e refugiados a chegar à fronteira”, afirmou Melissa Fleming. Segundo ela, o principal problema em Benghazi é a falta de médicos, uma vez que a grande maioria de estrangeiros profissionais de saúde já foi retirada da região. Há também uma preocupação com a falta de combustível e de comida, o que poderá acontecer nos próximos dias.

Para mais informações sobre a crise na Líbia e nos países vizinhos, favor contatar:

Melissa Fleming, em Genebra: e-mail fleming@unhcr.org ou telefone +41
79 557 91 22 (celular) e +41 22 739 79 65 (ACNUR)

Adrian Edwards, em Genebra: e-mail edwards@unhcr.org ou telefone +41 79
557 91 20 (celular) e +41 22 739 87 41 (ACNUR)

Sybella Wilkes, em Genebra: e-mail wilkes@unhcr.org ou telefones + 41
79 557 91 38 (celular) e  +41 22 739 79 68 (ACNUR)

Firas Kayal, na fronteira entre a Líbia e a Tunísia: +216 508 561 99

Elizabeth Tan, no Cairo: +201 222 745 93

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: