Da Tunísia à Síria, seis meses de revoltas no mundo árabe

Fonte: AFP

Foto: Saeed Khan/ AFP, Arquivo

Estes são, por ordem cronológica, os principais acontecimentos da chamada “Primavera Árabe”.

DEZEMBRO 2010

– 17. TUNÍSIA: Um jovem vendedor ambulante que protestava pelo confisco de suas mercadorias pela polícia ateia fogo em si próprio em Sidi Buzid (centro-oeste), desencadeando um movimento contra o desemprego e o custo de vida, que marca o início das revoltas no mundo árabe.

JANEIRO 2011

– 14. TUNÍSIA: Após 23 anos no poder, o presidente Zine El Abidine Ben Ali foge para a Arábia Saudita, sob pressão do movimento popular contra seu regime.

– 14. JORDÂNIA: Início das manifestações contra o custo de vida e a favor das reformas. No dia 12 de junho, o rei Abdullah II promete reformas para a formação de um governo baseado em uma maioria parlamentar.

– 25. EGITO: Começam as manifestações contra o regime do presidente Hosni Mubarak, no poder desde 1981. Os protestos tornam-se distúrbios: 846 mortos em 18 dias (balanço oficial).

– 27. IÊMEN: Milhares de manifestantes exigem em Sanaa a renúncia do presidente Ali Abdullah Saleh, no poder há 33 anos. Os “Jovens da Revolução” acampam a partir de 21 de fevereiro na capital iemenita.

FEVEREIRO

– 11. EGITO: Mubarak abandona suas funções e entrega o poder ao exército. Seu processo e o de seus dois filhos está previsto para 3 de agosto.

– 14. BAHREIN: Começam as manifestações neste pequeno reino do Golfo governado por uma dinastia sunita, mas cuja população é majoritariamente xiita. Os protestos deixam oficialmente 24 mortos. Em março, o governo recebe o apoio de mil soldados sauditas para acabar com o movimento de protesto.

– 15. LÍBIA: Tem início uma revolta popular contra o coronel Muamar Kadhafi, no poder desde 1969.

MARÇO

– 15. SÍRIA: Manifestação em Damasco contra o regime de Bashar al-Assad, no poder desde 2000. O movimento contra o regime, iniciado em Deraa (sul) e duramente reprimido, se estende até o noroeste do país.

– 19. LÍBIA: Ofensiva de Washington, Paris e Londres, amparada por uma resolução da ONU, para proteger os civis, enquanto a cidade de Benghazi (leste), bastião rebelde, é atacada pelas forças leais a Kadhafi. No dia 20, ataques aéreos da coalizão sobre Trípoli. No dia 31, a Otan assume o comando da operação.

ABRIL

– 21. SÍRIA: O estado de emergência, em vigor desde 1963, é levantado.

JUNHO:

– 1. BAHREIN: O estado de emergência é levantado após a convocação do rei Hamad Ben Isa al-Khalifa a um diálogo nacional a partir de 1 de julho.

– 3. IÊMEN: Atentado contra o palácio presidencial, com um saldo de 11 mortos e 124 feridos. Saleh é hospitalizado na Arábia Saudita.

– 12. LÍBIA: Kadhafi, cujo regime está sob diversas sanções internacionais, reitera que não abandonará o poder.

– 13. SÍRIA: O exército estende sua operação ao nordeste. A repressão já deixa mais de 1.200 mortos no total, segundo a ONU.

– 14. LÍBIA: 14 países reconheceram o órgão político dos rebeldes, o Conselho Nacional de Transição. Entre 10 e 15 mil pessoas já morreram, e há mais de 950 mil refugiados, segundo números da ONU.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: