ONU pede que governos não deportem haitianos

Fonte: ACNUR Brasil

 

Crianças en Camp Hope, um campo de tendas montado pelo ACNUR para os deslocados do terremoto de janeiro de 2010 (Foto: ACNUR)

As Nações Unidas estão pedindo aos governos de todo o mundo que suspendam os retornos involuntários de haitianos para seu país de origem, dadas as difíceis condições que ainda persistem no Haiti 18 meses após o terremoto que devastou o país em janeiro de 2010.

“Apesar das recentes eleições e dos esforços de reconstrução em curso, em casos de retorno o Haiti, enfraquecido pelo terremoto, ainda não pode garantir uma proteção adequada, especialmente para alguns grupos vulneráveis”, disse o porta-voz do Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR), Adrian Edwards.

O pedido da ONU foi feito por meio de comunicado conjunto do ACNUR e do Alto Comissariado da ONU para Direitos Humanos (OHCHR, da sigla em inglês). Estima-se que 680 mil pessoas ainda estão deslocadas dentro do Haiti, e  estão espalhadas entre mais de 1.000 acampamentos na capital, Port-au-Prince, e outras áreas afetadas pelo terremoto. Um número desconhecido permanece fora do país.

Dada a situação atual no Haiti, o ACNUR e o OHCHR emitiram um comunicado conjunto pedindo que os governos renovem, por razões humanitárias, autorizações de residência e outros mecanismos que têm permitido aos haitianos permanecerem fora do seu país.

“Pedimos que os governos tenham uma consideração especial e avaliem individualmente os casos do Haiti e tentem abster-se de deportar ao Haiti pessoas com necessidades de proteção especial, e para evitar situações em que o retorno leve à separação da família”, afirmou Edwards.

Michel Martelly foi empossado como o novo presidente do Haiti em maio, depois de liderar as pesquisas no início deste ano. A Missão das Nações Unidas para a estabilização no Haiti (Minustah), disse na época que a posse de Martelly dava “todas as esperanças de mudança para o povo do Haiti: de reconstrução, do progresso, de estabilidade, de paz social, Estado de direito e desenvolvimento”.

A Minustah pediu a Martelly, seu governo, aos políticos do Haiti, e aos grupos da sociedade civil  que tentem “fazer deste momento histórico a sua oportunidade para selar um novo pacto político, econômico e social para reconstruir juntos um novo Haiti”.

Clique aqui para ler o comunicado conjunto do ACNUR e do OHCHR (em espanhol).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: