Somália: Crianças vítimas de crimes de guerra

Fonte: Expresso

Os crimes de guerra que afetam as crianças da Somália, incluindo o recrutamento sistemático de crianças-soldado com menos de 15 anos por grupos armados islâmicos, foram denunciados num novo relatório da Amnistia Internacional.

“Crianças da Somália debaixo de fogo” revela o impacto do conflito armado sobre as crianças. Na Somália, as crianças estão sendo recrutadas como soldados, negando-lhes acesso à educação e correndo o risco de serem mortas ou feridas em ataques indiscriminados realizados em áreas densamente povoadas.

“A Somália não é apenas uma crise humanitária: é uma crise de direitos humanos e de direitos das crianças,” disse Michelle Kagari, Subdiretora do Programa da Amnistia Internacional para a África.

“Ser criança na Somália é enfrentar risco de morte constantemente: podem ser mortas, recrutadas e enviadas para a linha da frente, punidas pela Al-Shabab por ouvir música ou por vestir a roupa ‘errada’, são forçadas a defenderem-se a si próprias, porque perderam os pais, ou morrem, porque não têm acesso a cuidados médicos adequados.”

“A crise humanitária que enfrentam as crianças na Somália resulta também do fato da Al-Shabab ter negado a entrada de ajuda humanitária nos últimos anos.”

O relatório analisa mais de 200 testemunhos de refugiados da Somália, crianças e adultos, no Quênia e no Djibouti. Muitos citam o recrutamento de crianças por grupos armados como uma das razões para fugir do sul e centro da Somália.

O Governo Federal de Transição da Somália está na “lista negra” da ONU, como um partido que recruta, usa, mata e mutila crianças em conflitos armados. Comprometeram-se a respeitar os direitos das crianças, mas ainda têm de adotar medidas concretas para acabar com o uso de crianças por forças de combate.

Na Somália, os edifícios escolares foram destruídos ou danificados durante  ataques indiscriminados em áreas urbanas, dificultando a educação das crianças. Em Mogadíscio, muitas escolas fecharam, porque crianças e professores temem ser mortos e feridos no caminho para a escola.

Al-Shabab, o principal grupo armado de oposição ao governo, impôs severas restrições ao direito à educação, proibindo algumas meninas de frequentar a escola e que certos assuntos fossem lecionados e usando as escolas para ensinar e incentivar as crianças a participarem em combates.

Al-Shabab também usa ameaças como método de recrutamento, atrai crianças com a promessa de lhes dar telefones e dinheiro, sequestra-as em locais públicos ou realiza ataques a escolas.

Algumas crianças entrevistadas pela Amnistia Internacional testemunharam a morte dos seus professores durante ataques a escolas e relataram que algumas meninas foram mesmo forçadas a casar com rebeldes.

 Uma menina de 13 anos, de Mogadíscio, disse à Amnistia Internacional:
“Al-Shabab veio numa manhã … Disseram aos professores que todas as crianças deviam sair da sala de aula. Havia um carro à espera lá fora e obrigaram as crianças a entrar. Um professor foi morto, porque se recusou a obedecer. Era corajoso e o único que defendeu os direitos das meninas.”

As crianças têm sido vítimas de agressões e testemunham abusos dos direitos humanos, incluindo apedrejamentos, amputações e execuções realizados em público por grupos islâmicos armados. As crianças também vêem parentes e amigos serem mortos ou torturados.

Os refugiados da Somália, incluindo crianças, enfrentam grandes traumas como resultado dos abusos de direitos humanos que experienciaram ou testemunharam durante o conflito.

A comunidade internacional deve aumentar as medidas de proteção para evitar que as crianças da Somália sejam separadas das suas famílias, contando com programas de educação e mais apoio psicosocial.

“Este é um conflito sem fim, onde as crianças experenciam diariamente horrores inimagináveis,” afirmou Michelle Kagari. “Se o mundo continua a ignorar os crimes de guerra que afetam muitas das crianças, estas correm o risco de se tornarem uma geração perdida.”

Conheça os testemunhos de Crianças da Somália e o Relatório completo em http://www.amnistia-internacional.pt.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: