ONU: Chade enfrenta crise humanitária de proporções dramáticas

Fonte: Terra Brasil

O Chade enfrenta uma crise humanitária “de dimensões dramáticas” devido à falta de alimentos provocada pelas poucas chuvas, a epidemia de cólera e o retorno em massa de milhares de cidadãos do país que estavam na Líbia.

Em entrevista coletiva realizada nesta quinta-feira em Genebra (Suíça), o coordenador humanitário das Nações Unidas no Chade, Thomas Gurtner, ressaltou, apesar deste cenário, os avanços conquistados em segurança nos últimos dois anos, e a intenção das autoridades do país em auxiliar a população mais necessitada.

O país, que fica na região do Sahel, é fortemente afetado pela fome, já que tem cerca de 1,5 milhão de pessoas desnutridas e uma taxa de desnutrição infantil severa de 20%.

Segundo Gurtner, é provável que estes números aumentem nos próximos meses devido às poucas chuvas, apesar do começo da temporada de precipitações, o que causará uma queda na produção agrícola e um consequente aumento nos preços dos alimentos.

Além disso, a chegada de emigrantes da Líbia pressiona ainda mais o Sahel, já que mais da metade das 80 mil pessoas que retornaram ao Chade durante o conflito líbio são provenientes desta região.

Gurtner esclareceu que a crise alimentícia não chega aos níveis do Chifre da África porque várias agências da ONU estão há 18 meses trabalhando no país, onde criaram 200 centros de alimentação suplementar e conseguiram manter os níveis de desnutrição.

Outro problema do Chade, que está entre os cinco países mais pobres do mundo, é a epidemia de cólera sem precedentes que vive neste momento, deixando cerca de 13,5 mil pessoas afetadas e 400 mortes.

“Não houve uma epidemia de cólera semelhante desde 1991, que contaminou 14 mil pessoas, quase o mesmo que agora, com a diferença que se prevê que o número de doentes ultrapasse os 15 mil à medida que a temporada de chuvas avance”, explicou Gurtner. Também há focos de cólera em países vizinhos como Camarões, Níger e Nigéria.

O coordenador humanitário da ONU no Chade ressaltou que o grupo populacional mais vulnerável a todos estes problemas é o composto por cerca de 180 mil refugiados internos no país, que surgiu como consequência da guerra civil entre 2007 e 2009.

No Chade também vivem cerca de 250 mil refugiados procedentes de Darfur e 130 mil procedentes da República Centro-Africana, que, no entanto, habitam acampamentos um pouco melhor equipados com serviços de água e saneamento em relação aos que vivem os refugiados.

“É fundamental que a comunidade internacional seja alertada sobre a crise humanitária de proporções dramáticas que o Chade viverá em poucos meses, caso não atuemos agora”, ressaltou Gurtner.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: