Haitianos pagam até R$ 1,2 mil aos ‘coiotes’ para entrar no Amazonas

Fonte: D24am

De acordo com a PF, 98% dos haitianos que entram pela fronteira partem para Manaus logo após serem atendidos pela imigração. O deslocamento representa um custo de mais R$ 200 no bolso dos estrangeiros.

Haitianos que entram no País através do Amazonas chegam a pagar US$ 650, o equivalente a R$ 1,2 mil, a ‘coiotes’ em troca de estadia, passagem e oportunidade de trabalho. De acordo com o delegado da Polícia Federal (PF) em Tabatinga, Alexandre Rabelo, o ‘serviço’ é acertado pelos haitianos ainda no país de origem com a ajuda de amigos e parentes.

“O ‘coiote’ recebe o estrangeiro no Aeroporto de Lima, no Peru, e o haitiano lhe dá o dinheiro a fim de que seja levado para Manaus. Porém, na chegada a Tabatinga ele descobre que precisa aguardar o atendimento na Polícia Federal e que Manaus fica a mais de mil quilômetros de distância do município”, informou.

A imigração começou após o terremoto que devastou o Haiti, em janeiro de 2010.

De acordo com a PF, 98% dos haitianos que entram pela fronteira partem para Manaus logo após serem atendidos pela imigração. O deslocamento, realizado de barco, representa um custo de mais R$ 200 no bolso dos estrangeiros.

Rabelo recorda que, desde o ano passado, havia relatos sobre o aliciamento de ‘coiotes’, mas somente em maio deste ano, 20 haitianos recorreram a delegacia da Polícia Federal, em Tabatinga, denunciando  um atravessador de nacionalidade haitiana chamado Repert Julien, 28, e o descumprimento do serviço de hospedagem pago por eles. “Todos foram ouvidos e no dia 13 de maio deste ano um inquérito foi instaurado em desfavor do acusado”, disse.

No dia  5 de julho, a PF prendeu o suspeito, que cobrava até US$ 2 mil para trazer os cidadãos haitianos do Peru até o Brasil.  A pena para o crime é de um a três anos de reclusão e expulsão do País.

Este é o primeiro inquérito instaurado na PF para investigar a suposta atuação de coiotes no Amazonas. De acordo com o órgão, outros casos também estão sendo investigados.

O chefe da Delegacia de Imigração (Delemig), Victor Soares, afirma que os haitianos passam por um verdadeiro calvário composto por percurso aéreo, terrestre e fluvial, até conseguirem chegar ao Amazonas. “O mais espantoso é que não é barato fazer todo esse trajeto. De São Domingos até Tabatinga, o indivíduo desembolsa, no mínimo, R$ 10 mil”, ressaltou.

A renda per capita anual soma US$ 410 (R$ 740), o que revela o perfil social desses imigrantes, pertencentes à camada de maior poder aquisitivo.

A rota utilizada pelos estrangeiros inicia na cidade de São Domingos, na  República Dominicana, e segue pelo Panamá, Quito, capital do Equador, Lima, capital do Peru, Iquitos, na Amazônia peruana, e Santa Rosa, próximo da fronteira com o Brasil, até  Tabatinga.

 Haitianos entrevistados pelo DIÁRIO contam que a ação dos ‘coiotes’ inicia no aeroporto de São Domingos, com o pagamento de US$ 300 para a realização da viagem até Quito e segue com o desembolso de mais US$ 200 no desembarque.

O haitiano que pediu para não ser identificado, conta que desde a saída da República Dominicana, precisou pagar aos ‘coiotes’ para fazer a viagem. “Eles dizem que sem eles fica mais complicado lidar com a imigração. Eu e mais seis amigos pagamos US$ 300 a um deles para chegar a Quito”, lembra.

Mesmo não havendo a necessidade de visto para entrar no Equador os ‘coiotes’ aproveitam a falta de conhecimento dos haitianos para dar continuidade à extorsão. “O que eles falam é que sem dinheiro não podemos entrar no aeroporto. Vimos muitos  voltarem porque não tinham dinheiro para pagar os ‘coiotes’”, conta.

Amazonas abriga até 2,1 mil imigrantes
No Amazonas existem, atualmente, cerca de 2,1 mil haitianos, sendo 1,4 mil em Manaus e 700 em Tabatinga, de acordo com a Pastoral do Imigrante, entidade ligada à Igreja Católica que atua acolhendo os haitianos.

Para o delegado Victor Soares, 80% dos haitianos que vem para o Amazonas são do sexo masculino, com faixa etária entre 22 e 30 anos e de baixa escolaridade.

“A maioria tem apenas o Ensino Fundamental e por falta de qualificação técnica eles acabam sendo absorvidos pela construção civil. Claro que isso não significa que não hajam médicos, psicólogos e enfermeiros, mas de um universo de cem, aparecem dois ou três”, disse o economista.

O padre da Pastoral do Imigrante, Gelmino Costa, ressalta que a atuação de ‘coiotes’ é um assunto ‘proibido’ entre os haitianos, mas em algumas ocasiões os relatos acabam aparecendo timidamente. “Uma menina me disse uma vez que quando chegou ao Equador, pagou e entrou, enquanto outra que não quis pagar foi impedida de continuar a viagem”, afirmou.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: