Três pessoas morreram em protestos no Egito, diz médico

Fonte: G1

Manifestante egípcio joga lata de gás de volta contra a polícia (Foto: Tara Todras-Whitehill/ AP Photo)

Vítimas teriam se asfixiado com gás lacrimogêneo. Protestos em Cairo são os maiores desde a queda de Mubarak.

Três pessoas morreram neste domingo (20), vítimas de asfixia, depois de a polícia de choque empregar gás lacrimogêneo para dispersar manifestantes na praça Tahrir, no Cairo, denunciou o médico Abdullah Abdelrahmane, que dirige um hospital de campanha montado no local.

A praça segue ocupada pelos manifestantes. Eles resistiram às investidas da polícia, que foi obrigada a recuar para as ruas adjacentes.

Este fim de semana viu os piores conflitos desde que o ditador Hosni Mubarak deixou o poder, em fevereiro. Os manifestantes protestam contra a junta militar que assumiu o governo após o fim da ditadura e têm pressa na passagem do poder para os civis. O início das eleições está marcado para o próximo dia 28.

No sábado, dois ativistas tinham sido mortos no Cairo e em Alexandria. Os confrontos, que começaram na manhã de sábado, prosseguiram à noite. No total, 750 pessoas ficaram feridas, à noite, na praça Tahrir, segundo o ministério da Saúde.

Na manhã deste domingo, a violência foi retomada e intensificada, principalmente nas proximidades do ministério do Interior. As cenas lembravam as da revolta contra o antigo regime, no início do ano, embora com menor extensão.

Segundo a agência oficial de notícias Mena, milhares de pessoas se reuniram domingo para os funerais de um manifestante morto em Alexandria.

Manifestante ferido é atendido em cama improvisada na praça Tahrir (Foto: Reuters)

Reação dos políticos
O conselho militar e o gabinete realizaram uma reunião de urgência neste domingo. O porta-voz do gabinete Mohamed Hegazy disse à Reuters que o encontro foi realizado para discutir “a situação política e de segurança, as consequências do confronto na praça Tahrir e o esforço para conter a situação”.

Hegazy disse que a reunião discutiria os passos para “acalmar (o protesto) nas ruas e criar uma atmosfera conducente em torno das eleições”.

Perguntado se a eleição parlamentar marcada para começar em 28 de novembro continuaria como o planejado, ele disse: “Estamos insistindo em ter a eleição dentro do prazo — o governo, os partidos e o Conselho Supremo das Forças Armadas”.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: