Um quarto dos imigrantes tem trabalho abaixo das qualificações

Fonte: Público

Por Natália Faria

(Foto: Enric Vives-Rubio)

Um em cada quatro estrangeiros residentes em Portugal exerce funções abaixo daquelas para as quais está qualificado. A conclusão está contida num relatório do Eurostat sobre migrações na Europa a 27, segundo o qual 25% dos estrangeiros residentes em território nacional são excessivamente qualificados para o trabalho que exercem, enquanto entre os portugueses a taxa se fica nos 14%.

Apesar desta diferença, Portugal está longe de ser o país que pior sai na fotografia na Europa a 27: na Grécia, por exemplo, 62% dos imigrantes exercem funções abaixo das suas qualificações, enquanto entre os gregos a taxa é de apenas de 18%, ou seja, há uma diferença de 44 pontos percentuais. Na Espanha, essa diferença é de 27 pontos percentuais: 58% dos imigrantes são sobrequalificados para o trabalho que exercem, contra 31 % dos espanhóis.

Portugal está, de resto, abaixo da média europeia. Segundo as contas do Eurostat, que se baseia em indicadores de 2008, 34% dos europeus com idades entre os 25 e os 54 anos e que trabalham fora do país de onde são naturais exercem funções abaixo daquelas para as quais se qualificaram. Entre os residentes de cada país, a taxa baixa para os 19%, ou seja, há uma diferença de 15 pontos percentuais.

Não surpreende assim que a taxa de desemprego seja maior entre os migrantes. Entre quem trabalha no seu próprio país, o desemprego ronda os 6% na média a 27. Já entre os estrangeiros, a taxa sobe para os 10%. No caso português, os valores apontados eram de 7% para os nacionais e 9% para os estrangeiros, mas aqui as contas não traduzem a recente escalada do desemprego em Portugal (12,4% no 3.º trimestre de 2011, segundo a estimativa do INE, que conta 689,6 mil pessoas no desemprego).

Do mesmo modo, contavam-se no espaço europeu 31% de migrantes em risco de pobreza, enquanto a média para os cidadãos a residir e a trabalhar no seu próprio país se fixava nos 20%. No caso português, a percentagem de nativos em risco de pobreza fixava-se nos 22%, enquanto entre os estrangeiros a residir e a trabalhar no território nacional a taxa subia para os 26%.

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: